>

AMOR NATURAL CULINÁRIA

Este é o lugarzinho do AMOR NATURAL CULINÁRIA, TREINAMENTOS E SERVIÇOS. Aqui vou postar receitas, dicas de culinária nacional e internacional,enologia, etiqueta, economia doméstica e tudo de importante para os amantes da gastronomia, além de literatura, notícias importantes,fotos e desenhos e tudo que possa interessar aos amigos que me visitam ! Sejam bem-vindos !!

"Click here and translate this page to English language"

segunda-feira, janeiro 02, 2006

O PRESIDENTE LULA CONTINUA UM BRINCALHÃO NO INÍCIO DE 2006!!


Oi gente, como foi o primeiro dia de 2006?? Eu sei que foi bom, vocês merecem tudo de bom!!
Prometi que só falava no Lula/PT/Brasil em 2006. E estou cumprindo minha promessa... Só que o Presidente Lula adora me fornecer dados valiosos para postar, já que iniciou o ano falando as mesmas abobrinhas de 2005, do tipo: Não vi, Não sabia, serão punidos, Só depois de julgados, Carteiras assinadas, empregos, Cheque cidadão, etc... Parece discurso decorado, e nada muda...
Não podia deixar de registrar neste blog a entrevista concedida por ele a Pedro Bial do Fantástico, estarrecedora em todos os sentidos, porque nem o jumentinho lá de Garanhuns, onde o Lula nasceu, acredita...
Sei que a maioria assistiu, mas vale a pena ler...e refletir sobre as perguntas e as respostas.
Editei a entrevista, por ser muito longa, e só reproduzo os quesitos mais interessantes, se quiser ler na íntegra é só ir até www.globo.com/fantástico e prepare-se... NADA VAI MUDAR...
Beijinhos, boa primeira segunda de 2006 para todos!!


01.01.2006
Entrevista exclusiva do presidente Lula ao Fantástico
Exclusivo! A entrevista do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Fantástico! O repórter Pedro
Bial perguntou ao presidente Lula tudo o que o Brasil quer saber.

Pergunta Pedro Bial:
O senhor me permite enumerar alguns dados que escandalizaram o país? O PT era meio tido como o partido que monopolizava a ética na política brasileira. E isso, em 2005, foi por terra. O deputado José Genoíno, presidente do partido, disse que não tomou empréstimo. Mas, tomou e caiu. Sílvio Pereira, secretário-geral, caiu. O ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, foi cassado. Esses não são erros?
Responde Presidente Lula:
São erros. E tanto são que foram punidos. O Genoíno saiu da presidência do PT; o Silvinho não está mais no PT; o Zé Dirceu perdeu o mandato; o Delúbio saiu do PT. Para mim, a apuração tem que ser feita dentro do meu partido, nos outros partidos, dentro da sociedade, naqueles que são amigos do presidente e naqueles que são adversários do presidente. Afinal de contas, a investigação séria, o combate à corrupção, o combate aos erros administrativos que alguém possa ter cometido não podem ter cor partidária, não podem ter coloração ideológica. O que precisa é que prevaleça a ética. E o PT é um partido muito grande, com quase um milhão de filiados, um partido espalhado. Se três, quatro, meia dúzia, dez, 15 ou 20 pessoas de uma organização política cometem erros não significa que o partido todo está cometendo o mesmo erro. O partido tomou as decisões, o partido tem uma nova direção e o partido sabe que vai ter que fazer um trabalho imenso para recuperar o prestígio, que ao longo dos anos conquistou junto à sociedade brasileira. Portanto, o partido tem consciência da gravidade do problema, tem consciência da “encalacrada” em que se meteu e tem consciência que somente a verdade é que vai poder dar ao partido, outra vez, a credibilidade que ele conquistou a duras penas nesse país.

Pergunta Pedro Bial:
Falando em verdade e mentira, o senhor já afirmou, nas seguintes palavras, que essa história do mensalão parece folclore do Congresso. Aí temos o relatório do deputado Ibrahim Abi-Ackel, que diz “houve recebimento de vantagens financeiras...”. O senhor me permita ler, porque está entre aspas: “Houve recebimento de vantagens financeiras indevidas por parlamentares e dirigentes partidários, com periodicidade variável, porém, constante, de 2003 e 2004”. E ele chegou a dizer “chame-se semanão, quinzenão ou mensalão”. O senhor ainda acredita que não passa de folclore?
Responde Presidente Lula:
Veja, Pedro. Primeiro, nós temos que esperar o relatório final das CPIs. Ou seja, nós temos que esperar o conjunto da obra que está sendo feita pelas CPIs, para que você possa, a partir de uma complementação de investigação da Polícia Federal – que, aliás, já investigou muito – e de uma complementação de atuação do Ministério Público, ter o veredicto final. Essas não são as primeiras CPIs e não serão as últimas CPIs no Brasil. E nós já tivemos outras dezenas de CPIs, em que os relatórios diziam coisas e que depois, na hora da apuração cientificamente feita pela Polícia Federal ou pelo Ministério Público e no julgamento pelo Poder Judiciário, as coisas não foram como estavam no relatório. Eu não posso fazer julgamento de relatório da CPI. Não posso. Primeiro, porque não é o papel do presidente da República. Segundo, porque não tenho conhecimento suficiente para analisar como tem um delegado de polícia, como tem um representante do Ministério Público ou como tem um ministro do Supremo Tribunal Federal. O que espero – e é a única coisa que peço a Deus todo dia – é que a investigação seja a mais séria possível; a apuração, a mais séria possível; e a punição, aquela mais séria que puder ser feita de acordo com o crime que cada pessoa envolvida comprometeu.

Pergunta Pedro Bial:
Posso deduzir da sua resposta, então, que o senhor não leu os relatórios parciais da CPI?
Responde Presidente Lula:
Nem poderia ler. O presidente da República tem informações dos relatórios pelos meus assessores, mas, estou esperando o relatório conclusivo da CPI, pois o que conta, na verdade, é quando tiver um relatório consagrado. Terminou a CPI, o relatório está pronto, vai ser encaminhado ao Ministério Público. A Polícia Federal e o Poder Judiciário vão entrar em ação. Aí sim, esse relatório é que vale para uma avaliação definitiva do presidente da República. Os relatórios parciais ainda vão passar por outras comissões, ainda vão ser julgados pela própria CPI. Aí, quando estiver pronto, tenho um documento final para poder fazer juízo de valores desse documento.

Pergunta Pedro Bial:
Acho que posso apresentar já algumas provas conclusivas para o senhor fazer um juízo de valor. Como, por exemplo, a auditoria feita pelo próprio Banco do Brasil sobre a questão do Visanet, em que dados conclusivos dessa auditoria comprovaram o desvio de R$ 20 milhões. Além disso, o uso de 80 mil notas falsas no valerioduto - assim chamado – foi comprovado pela Polícia Federal. Isso são provas.
Responde Presidente Lula:
Se a Polícia Federal está comprovando, significa que o governo, mais do que ninguém, está investigando, porque o maior interessado em investigar é o próprio governo. Segundo, tenho informações também do Banco do Brasil de que o pagamento adiantado era uma norma, que vinha acontecendo no Brasil há algum tempo. Não é uma coisa que foi implantada na atual gestão do Banco do Brasil, a partir do momento em que tomei posse. Era uma norma que já vinha sendo implantada e isso está no relatório do Banco do Brasil, me apresentado pelo presidente do Banco do Brasil. E que, portanto, agora, na medida em que há uma denúncia feita pelo relator ou pelo presidente da CPI, na medida em que tem investigação da Polícia Federal, na medida em que o Banco do Brasil prove se está errado ou não, os culpados serão punidos da forma mais severa possível.

Pergunta Pedro Bial:
O senhor me desculpe, mas, quando fala de normas que já vinham anteriormente sendo executadas, me lembra aquela frase da entrevista de Paris: que o caixa dois do PT era apenas uma prática sistemática da política brasileira e que o PT também fazia, o que surpreendeu muito o eleitor do PT, que acreditava que o PT tinha vindo para acabar com esse tipo de prática.
Responde Presidente Lula:
O PT cometeu um erro, que é de uma gravidade incomensurável. Todo mundo sabe - e sabe o PT hoje e sabe quem cometeu os erros – que o PT cometeu um erro e que será de difícil reparação pelo próprio PT. O PT vai sangrar muito para poder se colocar diante da sociedade outra vez com uma credibilidade, que ele conquistou ao longo de 20 anos.

Pergunta Pedro Bial:
O senhor acredita que ele vai recuperar essa credibilidade?
Responde Presidente Lula:
Vai! Vai recuperar.

Pergunta Pedro Bial:
Mas, até agora, o senhor vinha insistindo na tese de que não havia provas. Eu entendi bem ou o senhor hoje está reconhecendo que já há provas conclusivas do mensalão ou, enfim, de condutas irregulares e de corrupção conduzidas pelo PT?
Responde Presidente Lula:
O que eu disse textualmente é que o Zé Dirceu foi cassado e que não teve prova no processo de cassação do Zé Dirceu.

Pergunta Pedro Bial:
Mas, o senhor concorda que o governo, assim como as mulheres dos césares, além de ser honesto, tem que parecer honesto? O senhor há de convir que as aparências não estão ajudando. Vamos pegar, por exemplo, o caso da justificativa oficial do PT para a história dos empréstimos. Se o dono de uma empresa muito próspera, com muitos funcionários, com lucros, enfim, for a um banco pedir um empréstimo sem apresentar garantias, ele sai sem um tostão. Como é que o PT - que não tem renda, é um partido – conseguiu esse dinheirão todo apenas com a assinatura de um simples tesoureiro, do nosso Delúbio, como o senhor disse?
Responde Presidente Lula:
Eu não sei como conseguiu. O dado concreto é que nós vamos descobrir como conseguiu. Ou a Polícia Federal vai descobrir, ou o Ministério Público, ou a CPI já descobriu uma parte, ou no processo que vai ter no Poder Judiciário.

Pergunta Pedro Bial:
Mas, não é uma dedução lógica de que são empréstimos de fachada?
Presidente Lula: Eu não posso fazer dedução. Qualquer cidadão comum pode fazer essa dedução. Eu não posso fazer. Eu baseio a minha vida em achar que todo mundo é inocente, até que se prove o contrário. Então, todo mundo merece a chance de ser inocente até que se investigue e que se prove que ele é culpado. Ao presidente da República, não cabe fazer pré-julgamento. E não cabe ficar dizendo que a pessoa é inocente ou culpada previamente. Tudo o que está sob investigação, no que depender do governo, da Polícia Federal, de ações administrativas, será feito a ferro e fogo. Tudo aquilo que depender do Ministério Público tem autonomia para fazer e o Poder Judiciário. Depois desse processo todo é que todos nós - você, eu e quem está nos assistindo - vamos poder dizer “é verdade ou não era verdade”. Com relação à minha pessoa, a única coisa que peço a Deus é que, quando terminar tudo isso, aqueles que me acusaram peçam desculpas. Só peço isso, não quero nada mais do que isso. Peçam desculpas. Porque também a leviandade, tal como é feita muitas vezes, ela tem um preço. E acho que é errado fazer qualquer julgamento precipitado da pessoa, dizer que a ela vai ser a melhor ou ser a pior em campo, antes do jogo começar.

Pergunta Pedro Bial: O senhor já se disse traído e depois se solidarizou com aqueles que estavam envolvidos na corrupção, se reunindo com eles. Afinal, o senhor foi traído ou é solidário? Por exemplo, o José Dirceu o traiu?
Responde Presidente Lula:
Eu me considero traído por duas coisas. Eu dediquei parte da minha vida para construir esse partido. Eu, a minha mulher e as minhas crianças – elas dormiam na calçada para ajudar a construir esse partido. E não era uma vez. Eram muitas vezes. Dormiam na calçada, vendendo camiseta, fazendo filiação. E a gente criou o partido exatamente para mudar a forma de se fazer política nesse País. Então, me sinto traído porque alguns companheiros meus fizeram práticas...

Pergunta Pedro Bial:
José Dirceu o traiu?
Responde Presidente Lula:
Fizeram práticas, sabe, que não condiziam com aquilo que era a história do PT. No caso do Zé Dirceu - diferentemente do Delúbio, que assumiu a responsabilidade -, ele ainda não definiu seu processo. Ele foi cassado, vai ter o relatório da CPI, vamos aguardar para ver o que vai acontecer. Mas, não quero nem julgar se eu fui traído por A ou por B. Acho que o conjunto dos acontecimentos, para mim, soou como se fosse uma facada nas costas de alguém, que junto com outros milhões de brasileiros, dedicou parte da sua vida para construir um instrumento político, que pudesse ser diferente de tudo o que estava aí.

Pergunta Pedro Bial:
Porém, antes mesmo dessas investigações serem concluídas, o senhor afirmou que levaria José Dirceu ao seu palanque.
Responde Presidente Lula:
Eu fui perguntado se o Zé Dirceu ia no palanque. Todas as pessoas, enquanto não forem julgadas, são inocentes. Vamos aguardar o processo. Da parte do presidente da República, nesse momento, seja com os meus companheiros ou com os meus adversários, tem que ter sempre a postura de um estadista, que não faz julgamento a priori, que não faz julgamento precipitado, que não condena e nem absolve ninguém antes do tempo. Eu só lamento profundamente que toda essa crise impediu que as coisas boas que o governo fez não aparecessem com o destaque que deveriam aparecer na imprensa. Lamento profundamente, porque o que nós fizemos nesse Brasil, no ano de 2005 - não precisa pegar 2004, não - do ponto de vista da geração de empregos, do aumento de salário dos mais pobres nesse País, dos acordos salariais. Por exemplo, 85% dos sindicatos que fizeram acordo em 85 fizeram acordos ou a inflação ou acima da inflação. Há 20 anos que isso não acontecia no Brasil. Segundo, a geração de empregos. Nós tivemos 20 anos de estagnação na economia brasileira. Nesses 36 meses, tivemos 3.709.000 empregos de carteira profissional assinada e, segundo o IBGE, criamos 3,8 milhões. Numa demonstração de que, apesar de tudo que aconteceu, a economia brasileira está caminhando, o Brasil está sólido e as coisas vão ser muito melhores em 2006.

Pergunta Pedro Bial:
Presidente, uma última pergunta. Hoje é dia 01 de janeiro de 2006. Onde é que o senhor deseja estar em 01 de janeiro de 2007?
Responde Presidente Lula:
No Brasil, em primeiro lugar. Sabe, tem muita coisa para acontecer. Eu, como disse agora há pouco, não defini se sou candidato, não tenho pressa de definir. Vai depender de muitas conversas com os partidos, de muita conversa com gente da sociedade. Você sabe que tenho uma tese sobre a reeleição. Se eu decidir ser candidato, obviamente que vou decidir ser candidato, vou comunicar à nação brasileira. Se eu decidir que não sou, ou estarei tomando posse ou estarei passando a faixa para alguém que ganhou as eleições. A única coisa de que tenho certeza de dizer é que 2006 será o ano do povo brasileiro, porque está tudo engatilhado, está tudo preparado, está tudo armado para que o Brasil tenha um forte crescimento, uma forte distribuição de renda, muito emprego para esse povo e, quem sabe, vamos juntos construir o Brasil que sonhamos há muito tempo construir.
AddThis Social Bookmark Button

1 Comments:

  • At 10:47 PM, Blogger Beto said…

    Um dos fundadores do PT, agora fora do partido, Raul Pont disse em entrevista a Folha, logo após a entrevista: "Ao invés de falar que o PT terá que sangrar, o presidente ajudaria mais se informasse quem o traiu".
    Pois é, como dizer sem se compremetar mais ainda com essa safadeza que tomou conta do governo?

     

Postar um comentário

<< Home