>

AMOR NATURAL CULINÁRIA

Este é o lugarzinho do AMOR NATURAL CULINÁRIA, TREINAMENTOS E SERVIÇOS. Aqui vou postar receitas, dicas de culinária nacional e internacional,enologia, etiqueta, economia doméstica e tudo de importante para os amantes da gastronomia, além de literatura, notícias importantes,fotos e desenhos e tudo que possa interessar aos amigos que me visitam ! Sejam bem-vindos !!

"Click here and translate this page to English language"

quarta-feira, novembro 15, 2006

15/NOVEMBRO -ANIVERSÁRIO DA PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA DO BRASIL!!

Amor NAtural

AINDA QUE EU ESTEJA TRISTE COM OS DESTINOS ATUAIS DA REPÚBLICA BRASILEIRA, COMO PATRIOTA , SINTO-ME NA OBRIGAÇÃO DE PRESTAR ESTA HOMENAGEM AO PAÍS ONDE NASCI, ONDE NASCERAM MEUS FILHOS E QUE AMO TANTO.
É LAMENTÁVEL QUE OS GOVERNANTES, E A MAIORIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA SOMENTE COMEMORE O FERIADO, E NÃO CONSIGA LEMBRAR-SE DE NOSSA REPÚBLICA NA OCASIÃO DAS ELEIÇÕES, FAZENDO E OUVINDO PROMESSAS E ESCOLHAS ALEATÓRIAS AO BEM ESTAR DO PAÍS E DE SEU POVO!
FELIZ BRASIL,FELIZ REPÚBLICA PARA NÓS TODOS!!!!!

Amor Natural é BRASIL!!

Dia da Proclamação da República do Brasil
No dia 15 de novembro de 1889, um grupo de republicanos foi à casa do Marechal Deodoro da Fonseca para lhe pedir que cercasse o palácio onde o gabinete de ministros estava reunido, presidido pelo Visconde de Ouro Preto e o derrubasse do poder.

Amor Natural O argumento era forte, diziam que o governo estava ferindo o brio dos militares. A cena foi bem estranha. Montado no seu cavalo, o marechal Deodoro da Fonseca desfilou uma longa lista de queixas, pessoais e corporativas, contra o governo, quer dizer, o governo do ministro Visconde de Ouro Preto, não o do Imperador. Jamais se oporia ao Imperador, a quem devia muito, fato que Deodoro fez questão de deixar bem claro.

É muito difícil imaginar que Deodoro estivesse dando um golpe republicano, porque ele era sobretudo um militar monarquista. O fato é que naquela mesma hora, o ministro Visconde de Ouro Preto foi preso e o gabinete derrubado. Na saída, o velho Marechal Deodoro à frente da tropa obedeceu ao cerimonial militar de saudação ao Chefe de Estado, com o quepe erguido pela mão direita acima da cabeça, deu um "viva ao Imperador".

Assim, a questão militar derrubara, inconstitucionalmente, o governo, mas não a monarquia. D. Pedro II, seguindo as normas parlamentaristas, reuniu-se com os políticos do partido majoritário para constituir um novo governo e o nome sugerido foi o de Gaspar da Silveira Martins.

A rusga seríssima que havia entre Deodoro e Silveira Martins seria a mola propulsora da Proclamação da República. Quando Deodoro soube que Silveira Martins seria o novo presidente do gabinete de ministros, julgou que o Imperador fazia aquilo diretamente para feri-lo e ficou enfurecido.

Amor Natural

O velho Marechal, que se recusara a assinar o decreto de Proclamação da República por lealdade ao Imperador, assinou o documento naquela noite do dia 15 de novembro de 1889 e se tornou nosso primeiro presidente.

Mas a nossa República Federativa, foi proclamada provisoriamente, porque teve de aguardar o pronunciamento definitivo da nação, livremente expressado pela votação popular, conforme nossa Constituição determina.

O plebiscito para "referendar" a República, foi convocado em 1993, com cento e quatro anos de atraso

Amor Natural
Hino da Proclamação da República
Música: Leopoldo Miguez (1850/1902)
Letra: Medeiros e Albuquerque (1867/1934)

Seja um pálio de luz desdobrado,
Sob a larga amplidão destes céus
Este canto rebel que o passado
Vem remir dos mais torpes labéus.
Seja um hino de glória que fale,
De esperança de um novo porvir,
Com visões de triunfos embale
Quem por ele lutando surgir.

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós
Das lutas, na tempestade
Dá que ouçamos tua voz.

Nós nem cremos que escravos outrora,
Tenha havido em tão nobre país
Hoje o rubro lampejo da aurora,
Acha irmãos, não tiranos hostis.
Somos todos iguais, ao futuro
Saberemos unidos levar,
Nosso augusto estandarte, que puro,
Brilha avante, da Pátria no altar.

Liberdade! etc...

Se é mistér de peitos valentes,
Haja sangue em nosso pendão,
Sangue vivo do herói Tiradentes,
Batizou este audaz pavilhão.
Mensageiro de paz, paz queremos,
E de amor nossa força e poder
Mas da guerra nos transes supremos,
Heis de vernos lutar e vencer.

Liberdade! etc...

Do Ipiranga é preciso que o brado,
Seja um grito soberbo de fé,
O Brasil já surgiu libertado,
Sobre as púrpuras régias de pé.
Eia pois, brasileiros, avante!
Verde louros colhamos louçãos,
Seja o nosso país triunfante,
Livre terra de livres irmãos!

Liberdade! etc...

AddThis Social Bookmark Button

70 Comments:

Postar um comentário

<< Home